https://www.honeywell.com/us/en/search.html

3 formas de transformação das empresas durante a pandemia de COVID-19

Com as mudanças, as empresas aprendem entre si durante a pandemia

Enquanto todos se adaptam à vida durante a pandemia, o mesmo se aplica às empresas.

Estão a trabalhar em conjunto para encontrar inspiração, ferramentas e melhores práticas em locais surpreendentes.

Ao terem a mente aberta e partilharem notas, os líderes estão a utilizar dados e novas ferramentas para se adaptarem rapidamente. Mais do que uma simples tendência, esta nova normalidade terá efeitos duradouros e dramáticos sobre o futuro das empresas e do mundo.

Há três lições aprendidas durante a pandemia:

1. As unidades industriais são operadas remotamente

As operações remotas são um desafio para as empresas industriais. Os funcionários da linha de frente não têm acesso às mesmas ferramentas do que aqueles que trabalham à secretária, criando uma divisão entre o escritório e a linha de produção. As empresas industriais estão agora a explorar como podem aplicar as lições aprendidas a nível de conhecimentos, aceleradas pela necessidade de superar as perturbações causadas pela COVID-19.

Ferramentas de software como a Honeywell Forge permitem às empresas operar as fábricas remotamente. Primeiro, são recolhidos dados sobre equipamento e hardware. Depois, esses dados operacionais são combinados com dados empresariais e armazenados na nuvem. Em seguida, os líderes podem executar ferramentas analíticas de IA para os ajudar a tomar decisões mais bem informadas sobre como agilizar e automatizar processos críticos. No final, o objetivo é tornar as operações remotas tão consistentes quanto no local.

2. Os profissionais do conhecimento potenciam a cultura da segurança

Se há algo do qual as empresas industriais percebem bem é a segurança. Estes ambientes são simplesmente mais perigosos do que os escritórios, o que requer uma cultura de comunicações, políticas e programas de formação que mantenham a segurança e a produtividade dos trabalhadores.

"Ocorreu-me que a segurança tem sido sempre uma área do mundo industrial", disse Que Dallara, CEO da Honeywell Connected Enterprise numa entrevista. "Não podemos abrir uma fábrica sem isso, mas agora está a acontecer a nível dos escritórios onde a questão premente sempre foi a ergonomia."

Os escritórios são compostos principalmente por profissionais do conhecimento, como contabilistas e programadores. Esses profissionais têm funções que requerem capacidades de raciocínio em comparação com o trabalho manual. Entre os novos regulamentos de saúde relativos à COVID-19 e o aumento das preocupações dos funcionários, os escritórios precisam de incutir rapidamente uma cultura de segurança nos seus esforços de regresso ao trabalho. As diretrizes de distanciamento social tornaram-se um requisito para as empresas, para compreenderem a fundo como os seus edifícios estão a ser utilizados, como as pessoas se movimentam através dos espaços, e como os sistemas de construção as mantêm confortáveis e saudáveis. Isto requer ferramentas capazes de agregar dados empresariais, de construção e de segurança de modo a impulsionar a tomada de decisões e as comunicações.

3. As empresas tomam melhores decisões, mais rapidamente

Algo que todas as empresas podem fazer melhor é tomar decisões rapidamente e agir de acordo com as mesmas. Desde a intensificação de novas operações até a apresentação de produtos, as empresas tendem a mover-se lenta e metodicamente. Embora isto assegure bons processos, é cada vez mais demasiado lento para a velocidade dos negócios. A pandemia forçou as empresas a pensar rapidamente, agir rapidamente e temer menos. E isso é bom.

"Criámos fábricas de máscaras N95 em cinco semanas. Normalmente, demora nove meses ", afirmou Dallara.

Este novo sentido de urgência está efetivamente a mudar a forma como criamos produtos. A Honeywell passou apenas duas semanas a criar uma ferramenta analítica para acompanhar o seu próprio progresso no regresso ao trabalho. Em seguida, foi uma tarefa simples transformá-la num produto comercialmente viável, ultrapassando largamente o ciclo de vida do desenvolvimento de produtos tradicional. As empresas estão a dar saltos gigantescos em direção ao espírito ágil da cultura de start-up, ou, nas palavras de Dallara, "Estamos a assistir à aceleração do futuro."